Semana On

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

A pesada mão suíça

A nota a seguir é do jornalista Ricardo Noblat, reproduzo:

“Há 20 anos, um brasileiro ilegal na Suíça foi preso por falsificar cartões de crédito. Saiu da prisão tetraplégico – segundo ele, de tanto apanhar, segundo a polícia, de tanto bater com a cabeça na parede. No final dos anos 90, o mordomo de Celso Lafer, embaixador do Brasil na Suíça, foi preso por engano. Apanhou. Depois, recebeu uma condecoração e visto permanente para trabalhar na Suíça. Na semana passada, os dois episódios foram relembrados nos corredores do Itamaraty devido à má vontade inicial da polícia suíça com a advogada Paula Oliveira.”

3 comentários:

Tomaz disse...

Ranços de uma cultura preconceituosa, que infelizmente ainda insiste em ter adeptos...
Interessantes os temas levantados aqui, coloquei um link dos Escrevinhamentos no Inferno Lírico.
Abraço.

Yara Beatrice Jasmin Nin Poulain Black Mamba disse...

Satisfação conhecer o Poema Dia e teus Escrevinhamentos.

De jornalista-poeta para jornalista-poeta: É excessivamente contraditório ser jornalista e poeta?

Inté

Barone disse...

Bom que gostou Tomaz, volte mais.

Olá Yara, acho que a contradição está em "ser". Estamos imersos em um mar de contradições. Diariamente elas se apresentam a nós, nos desafiando de todas as formas, na ética, na convivência, nas trocas amorosas e profissionais.

Acho que é aí que a poesia ocupa um papel vital. Nos ajudando a encontrar uma forma de expressar aquilo que nos engasga diante da impossibilidade de ultrapassarmos o contraditório que é viver.

Bem vida, e volte.