Semana On

sábado, 14 de novembro de 2009

Poesia aos sábados

Ventos de novembro
trazem cheiro de pão novo
e café servido às pressas
na padaria chique da esquina
onde coroados comentam
falcatruas da vez entre nacos
de massa e manteiga.

Ventos de novembro
sopram mornos
na tarde modorrenta
levando para longe
o que me restava de fé.

Ventos de novembro
elevam teu perfume
às minhas narinas inflamadas
me impregnando com teu cheiro
inundando minha boca d´água
maquiando o fedor reinante.

3 comentários:

Adriana Godoy disse...

Belo e olfativo poema. Gostei muito, Barone...e que os ventos de novemnbro não cessem..

FláPerez (BláBlá) disse...

muito bom!
o final então!

Barone disse...

Obrigado meninas.