Semana On

sábado, 7 de março de 2009

Saúde

No dia 21 postei aqui sobre o documentário “Sicko”, do cineasta estadunidense Michael Moore, que expõe as vísceras do doentio sistema de saúde dos Estados Unidos, cuja abordagem mercantilista é defendida com afinco pelo lobby mais poderoso de Washington, segundo estudo do Center for Responsive Politics.

Nesta semana – como aponta Idelber Avelar – revelou-se que está chegando a 50 milhões o número de estadunidenses sem seguro de saúde nos Estádios Unidos.

Barack Obama está preocupado com o tema e já recebeu dica do ministro José Gomes Temporão no sentido de adotar o sistema do SUS. Para quem treme ao ouvir a sigla, um alerta: o SUS é, sim, referência mundial, dentro dos padrões estratégicos para o setor, baseados na universalização da saúde, adotados em países como Canadá e Inglaterra.

3 comentários:

O Blog do Capeta disse...

michael moore é O Cara. E olha que me julgo liberal...

Lelec disse...

Olá Barone,

Recentemente, estive em Chicago, pouco antes da eleição do Obama. Como médico, fiquei estupefato ao saber de uma colega que, nessa cidade de 3 milhões de habitantes, há apenas 1 hospital público. Se você não tem plano de saúde, está ferrado.
O SUS tem coisas interessantes. Mas não concordo com o princípio de gratuidade absoluta. Todos têm que contribuir diretamente, proporcionalmente ao que recebem, mesmo que a contribuição seja mínima. O sistema, insisto, deve permanecer público e universal. É assim na França, onde tenho a oportunidade de trabalhar: um sistema público, de qualidade, sustentando pelo contribuinte e pelo Estado.
Abraço,

Lelec

Barone disse...

Também não sou contra a cobrança de uma taxa mediante o poder aquisitivo para a construção de um sistema de saúde público e universal. Isso poderia, inclusive, fortalecer a noção de que ele (o sistema) é de todos e não favor do poder público. Interessante este seu depoimento sobre Chicago Lelec. Incrível, três milhões de habitantes e um hospital público. Isso não aparece no ER não é? Em que área da medicina você atua? Um abraço.