Semana On

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Médicos de terceira categoria

No dia 10 de novembro passado publiquei aqui o artigo “Corporativismo de branco”, no qual abordo alguns descaminhos da Medicina no Brasil. Ontem, a estudante de Medicina Ana Carolina da Silva teve publicado no Observatório da Imprensa seu artigo “Exame do Cremesp revela realidade sórdida” onde analisa os resultados da quarta edição do exame do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp).

Alguns números do exame saltam aos olhos, em especial o índice de reprovação (61%). Diz Ana Carolina em seu artigo que – segundo o Cremesp - um paciente com o bacilo da tuberculose, atendido por um médico recém-formado, tem 56% de chance de ter seu diagnóstico feito de forma incorreta. Ainda, um paciente com quadro de criptorquidia terá 84% de ficar estéril devido a falhas no procedimento.

Ana Carolina aponta para o fato de que o resultado da má formação dos futuros médicos desemboca em atendimento deficiente e omissão. Quem sofre, como sempre, é a população. Em meio a isso tudo, algo animador. As pessoas estão denunciando mais: “O número de denúncias contra médicos saltou de 1.874 em 1998, para 4.498 em 2007. A média diária de denúncias passou de 5,1 para 12,3 em dez anos”.

Leia mais sobre o mesmo tema:
- Corporativismo de branco

2 comentários:

Alice Salles disse...

NOSSA!
Que medo disso...
Mas não é de hoje que SABEMOS que a medicina no Brasil (e aqui nos EUA também) não é movida a vontade de ver gente com saúde, é movida por dinheiro e poder, e quem sofre é sempre a população que cai nas mãos de médicos de quinta, desamparados e desqualificados já que o que dá dinheiro é ser assim mesmo...

Daniel "Gárgula" Braga disse...

E nós do povo, apenas ignorantes, temos de baixar nossas cabeças ao conhecimento divido dos deuses de branco, que arrotam um preparo que não existe, arrogantes como são, ocos de sabedoria e competência!

É triste e macabro!