Semana On

sábado, 10 de outubro de 2009

Poesia aos sábados

meus sudários

caro tolo, esta tarde para tanta coisa
coisas como pedir desculpas aos mártires
nao sei de que lado da cerca fico
na colônia dos leprosos
o único morador diz temer o contágio
aqui de fora

palmilho os caminhos
estradas menos viajadas
agacho-me na beira dos rios
já que todo rio é Jordão
toda escada sobe aos céus
todo alimento é maná
toda pedra é monte Ararat
e todo vinho foi água um dia

a carpideira sobre seu cavalo
mostra-me as cartas do seu tarô
escolho uma carta
você tem sido um bom guarda dos teus irmãos?
não soube responder

analfabeto da minha face
concentro-me na leitura de sudários
até poder ler meu próprio rosto
e contar a minha estória

Audemir Leuzinger, esta semana, no Poema Dia

3 comentários:

Wilson Torres Nanini disse...

À porta da igreja/dois leprosos/cobrando ingressos. Mas foram seus sudários que me atraíram: quase fósseis, quase espelhos, o decalque do avesso. É assim que vc conta a sua estória. Abraços!

Henrique Pimenta disse...

Bom texto. É um espaço riquíssimo para a poesia o POEMA DIA!!!

FláPerez (BláBlá) disse...

lindo! adoro pele de sudário!