Semana On

domingo, 14 de dezembro de 2008

Poema prum dia de chuva

Pelo vidro embaçado
vejo o mendigo bailarino.
Ele dança conforme a chuva.
Ele mexe imitando os pingos.

O mendigo dança sem música.
Na calçada ele dança
e se cala.

Da janela embaçada
ouço a música
que o embala.

O mendigo bailarino
baila
ao som do nada.

2 comentários:

Daniel "Gárgula" Braga disse...

Gostei muito!

Parabéns!

Adriana disse...

É uma cena do cotidiano que transformada em poema fica mais amena. O mendigo e dança e no carro a gente vê, aprecia e se isenta. Gostei.