Semana On

sábado, 4 de dezembro de 2010

Poesia aos sábados

AMO-TE ASSIM SEM CORPO
{a um namorado}

amo-te assim sem corpo.
sem dias que sacodem lembranças.
sem últimas coisas.
sem ouvires de língua.
sem palavras que respiram pelo
nariz de outras.
sem compromissos abdominais.
sem o coração no bolso.
sem ruídos obscenos que
indiciam nudez.
sem borboletas vulgares
sobre o poema.
sem o conhecimento de toda a gente.
sem o teu conhecimento
ou existência.
amo-te assim sem corpo
com todo o meu corpo,
lembranças,
últimas coisas,
ouvires de língua,
palavras ardentes como
febres frias,
compromissos fundidos noutros,
o coração dobrado,
as braçadas da vida
nua e lenta como a borboleta
neste poema.
amo-te assim sem vida.
sem morte.
sem corpo.

Sylvia Beirute, esta semana, no Poema Dia

2 comentários:

Solange disse...

um amor que tem a força do silêncio...

que lindooooo.

parabéns !

beijos

Atestado do Óbvio disse...

Lindíssima poesia e blog! Quando puder passa no meu tb!

Abraço :)