Semana On

terça-feira, 16 de junho de 2009

Guia para a Cyberguerra das eleições no Irã

Postado originalmente por Cory Doctorow no BoingBoing e traduzido pelo amigo Luiz Felipe.

O propósito deste guia é ajudar você a participar construtivamente nos protestos da eleição iraniana pelo Twitter.

1. NÃO divulgue IPs de proxys no twitter, e especialmente não utilizando a hashtag #iranelection. Forças de segurança estão monitorando esta hashtag, e no momento em que elas identificam o IP de um proxy eles o bloqueiam no Irã. Se você estiver criando novos proxies para os blogueiros do Irã, mande por Direct Message para @stopAhmadi ou @iran09 e eles serão distribuídos discretamente a blogueiros no Irã.

2.Hashtags, as duas únicas legítimas hashtags sendo usadas por blogueiros no Irã são #iranelection e #gr88, outras hashtags inventadas correm o risco de diluir a conversação.

3. Mantenha seus critérios! Forças de segurança estão agora criando contas no Twitter para espalhar desinformação se passando por iranianos protestando. Por favor, não retwitte impetuosamente, tente confirmar a informação com fontes confiáveis antes de retwittar. As fontes legítimas não são difíceis de encontrar e seguir.

4. Ajude a proteger os blogueiros: mude seu setting no Twitter para que sua localização seja TEHRAN e seu fuso horário GMT +3.30. Forças de segurança estão à procura de blogueiros usando esta localização e fuso horário. Se todos nos tornarmos "iranianos", ficará bem mais difícil de encontrá-los.

5. Não revele seu disfarce! Se você descobrir uma fonte genuína, por favor não divulgue seu nome ou localização em um website. Estes blogueiros estão em perigo REAL. Espalhe discretamente através de suas próprias redes mas não os sinalize para as forças de segurança. Pessoas estão morrendo lá, de verdade, por favor sempre lembre-se disso...

5 comentários:

james p. disse...

Já estou fazendo tudo isso.
Valeu pelo post.
Abraços.

sergio disse...

Engraçado, o Irã é muito mais democrático que a Arábia Saudita e que os Emirados Árabes mas ninguém reclama.Deve ser porque a Arábia Saudita é aliada dos americanos.
Ahmadinejad faz um governo para os pobres e por isso foi eleito, democraticamente e não como foi aquela eleição, num certo país do norte, num estado chamado Flórida, de um certo Bush sobre um tal de Al Gore.

Luiz Felipe Vasques disse...

Lembrando: quem puder traduzir para algum outro idioma, seja bem-vindo!

Barone disse...

Olá Sergio. Arábia Saudita e Emirados são ditaduras brutais que devem ser denunciadas. Também são ditaduras brutais outros países da região não alinhados com o Ocidente, como a Líbia e a Síria. Em cada um destes países a democracia é apenas um vislumbre e pode ser medida em níveis muito insossos. O Irã é um país mais democrático que os anteriormente citados? Questionável. Democracia não se mede apenas pelo ato de votar, mas, principalmente, pelo poder de ingerir sobre os aspectos fundamentais que regem o dia a dia dos cidadãos. Isso não acontece no Irã de Ahmadinejad – que não faz um governo para s “pobres”, mas para os ignorantes. O Irã é uma teocracia controlada por clérigos cujos valores incluem a segregação de homossexuais e o rebaixamento da mulher a níveis medievais. O que os impede de estabelecer estes valores de forma violenta, hoje, são exatamente as águas rasas de sua democracia e a voz dos grupos reformistas que, em uma sociedade que possui 70% de pessoas com idade até 33 anos, ressoa fortemente. Apesar do jogo de interesses e da ingerência do Ocidente na região – questões óbvias – limitar a busca pela democracia no Irã ao interesse dos Estados Unidos é nivelar a inteligência e as aspirações dos iranianos por baixo.

Anónimo disse...

Sim , é verdade existem uns que dizem num refrão Alah ai que BAR.Ô iranianos fajutas.Gostaria de ser arianos como Ahmadinejad