Semana On

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Menino

Foto: Mohammed Salem/Reuters


O céu cinza-chumbo
E o olhar em lágrima
Do menino adulto
Me comovem como
Quando te vejo dormindo

Pés descalços sobre
Um mundo estilhaçado
Onde nuvens opacas
Se adensam
Querendo soçobrar

O céu cinza-chumbo
E o olhar em lágrima
Do menino adulto
São como dois retratos
Que vejo de longe

São como histórias
Que ouço entre goles e risos
Como linhas rabiscadas
Em jornais antigos
Como sussurros ao pé do ouvido

O céu cinza-chumbo
E o olhar em lágrima
Do menino adulto
Me açoitam os sentidos
Me anoitecem a alma

Um mundo desconstruído
Se esparrama sob os pés
Da criança-homem
Se amontoam escombros
Entre ela e o sorriso
Entre eu e o sonhar

Te olho dormindo

2 comentários:

Adriana disse...

Barone, muito bem construído o seu poema, embora extremamnete triste, embor extremamente poético.

Alice Salles disse...

Eu não sei se paro de pensar e me desligo do mundo pra não ter que sofrer o se continuo olhando os olhos desse menino que chama por alguém, qualquer um que o tire dali...