Semana On

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Sessenta anos de utopia

“Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos”

Completou 60 anos nesta quarta-feira, 10 de dezembro, a Declaração Universal de Direitos Humanos. O professor Carlos Chaparro diz que “por trás de cada um dos trinta artigos da Declaração há multidões de heróis, na maioria, anônimos protagonistas de lutas por meio das quais, ao longo de milênios, se fez a ainda inacabada História da Cidadania”.

No último dia 6 o jornal O Globo publicou reportagem na qual afirma a importância do texto mas aponta as dificuldades pra transformar em realidade um mundo onde todos tenham o direito de comer, liberdade de expressão e outros direitos básicos.

Manter a utopia viva, em meio aos arautos do conformismo é obrigação de quem acredita na possibilidade de um mundo melhor. Não fossem as utopias estaríamos ainda recolhendo frutos das árvores e adorando o fogo. Portanto, saudemos as utopias.

2 comentários:

Adriana disse...

Sim, sim, saudemos as utopias. É isso que gira a máquina e faz do homem um ser capaz de sonhar e construir seus sonhos.Apesar de me envergonhar da humanidade muitas vezes, só o homem pode salvar a si e ao planeta. Beijo.

Alice Salles disse...

Ah mas e quando que isso tudo vai ser real? Porque não é pra isso que vivemos?